sábado, 3 de outubro de 2009

« Neste Céu Onde me Embalo »
Sylvia Cohin & Fernando Peixoto

Não imaginas ainda que te conte
o peso da saudade atormentando,
a falta que me faz um horizonte
sorrindo, braços abertos, chamando...

Mas sei que mesmo assim tu me adivinhas
pois és esse horizonte de que falo
que tento inutilmente ver em linhas...
que eu risco neste céu onde me embalo...


Eu sou um horizonte? Sou, talvez...
uma linha que se perde no espaço...
a linha que procuras e só vês
quando ela se esconde em teu regaço.

Eu sou aquela linha indefinida,
tímida, indecisa e recortada
por névoas constantes escondida
e apenas nos teus olhos revelada.

Mas eu quero ser mais que um horizonte:
eu quero ser o ponto de chegada
para tu beberes na minha fonte
a água do amor purificada.


SYLVIA COHIN & FERNANDO PEIXOTO
Portugal



Marcadores: , ,

4 Comments:

Anonymous Michèle Christine said...

Sylvia,
num outro 03 de outubro você nos disse que: “quem planta amor, colhe saudades... esta será sua mais expressiva vindima através dos tempos” se referindo ao poeta que aí canta com você num ‘céu que nos embala’. Pois aí está uma poesia embalada por um lado, pela saudade e por outro,
pela presença que nos faz admirar mais a vida e mais os poetas que colorem a vida. Que permaneçam expressivos no tempo e através dele. Parabéns! Beijins, Michèle

3 de out de 2009 20:20:00  
Anonymous Rosa Peixoto said...

Ma trés,trés chére Syl
Avec le temps,beaucoup de choses change,mais il y a certaines qu'il ne peut changer,entre elles l'AMOUR et la nostalgie.
Ces deux sentiments sont bien présents et le resteront á tout jamais,dans nos coeurs et dans nos âmes...
Je suis en pensée avec toi en ce jour,et je t'embrasse trés,trés fort...
Rosa

4 de out de 2009 06:28:00  
Blogger Fernando Peixoto said...

Querida Sylvia,

Há momentos assim...
em que nos tornamos abruptamente amorfos, numa lividez aparentemente inexplicável.
Todavia, a tua sensibilidade única encontra sempre a varinha de condão para iluminar a mais densa treva...
Belo poema, homenagem maior.
Do eterno fã, um grande beijo cuja dimensão jamais circunscreverá o Atlântico...

Fernando Peixoto

6 de out de 2009 12:11:00  
Blogger Carol said...

Oieee. Td bem com vc?? Passando pra conhecer. E amei. Muito fofo e aconchegante seu blog. Espero tua visitinha no meu ok? Beijos. E tenha um ótimo dia.

6 de out de 2009 14:36:00  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home