terça-feira, 10 de janeiro de 2012


« Trocando em Miúdos »

Sylvia Cohin

Um olho que olha, o outro que vê.
No mato cerrado, a fera desliza.
Com ajuda do olfato, a presa à mercê
do faro apurado e o sopro da brisa.

O instinto felino ataca certeiro.
Duelo de instante, a presa se faz
oferta que jaz no altar traiçoeiro,
macabro festim da morte voraz...

Resta o silêncio com cheiro de medo,
e a vida alimenta a Vida na Terra.
Um guincho no ar completa o enredo,
no instante seguinte o drama se encerra.

No mato é assim, quem pega, consome,
licença não pede e não há tribuna.
Na mata se mata pra matar a fome.
Pecado não há... e não há quem puna.

Lá não há reza, nem pobre, nem rei,
porém dos Limites, todos dependem.
Da Língua que falam, juro, nem sei,
só sei que ela é Lei e todos se entendem!

E num ritual que é quase solene,
quem urra, faz hurras, quem silva, sibila!
Sem chip, HD, memória é o gene
do reles bacilo, ao maior gorila.

A Raça que sobra, (nem Fauna, nem Flora),
e reza contrita uma Ave Maria,
faz glosa, faz rima pra Nossa Senhora,
mas vive pra Guerra de noite e de dia.
Da Paz faz pretexto e a alma penhora...
Que a lei desta 'Selva'... é só Utopia.

SYLVIA COHIN
Porto-Pt, 20.08.2008


Marcadores: , , , , , , , ,

1 Comments:

Anonymous Ógui Lourenço Mauri said...

Amiga Sylvia,
Belíssimo teu recanto cultural!
Aliás, tudo que escreves encanta e "Trocando em Miúdos" é uma prova disso.
Parabéns!
Aproveito a oportunidade para agradecer tua visita a meu blog "Palavras do Coração", bem como o gentil "recadinho" ali deixado.
Fraterno abraço!
Ógui L. Mauri

15 de fev de 2012 20:39:00  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home