quarta-feira, 19 de maio de 2010


« BEIJO VIRTUAL »
Sylvia Cohin


E quando meu silêncio perceberes,
quando meu olhar distante e ausente
não te encantar como antigamente,
ainda assim me sentirás presente.


E quando eu frígida te ignorar,
quando sentires ao tocar-me, o arrepio,
a indiferença do meu corpo frio,
ainda assim, não te faças arredio...


E quando me abraçares carinhoso,
quando eu calada parecer zangada,
teimosa, não te disser nada,
ainda assim, diz que sou tua amada...


Fala baixinho e bem devagar,
as coisas que sempre disseste pra mim,
cola tua boca em minha boca, assim...
Eu te darei um doce beijo carmim
e tu serás o mais feliz mortal.


Nem sentirás
que o beijo que te dou é virtual.
Eu te farei sorrir, feliz, de tanta sorte,
que nunca saberás
de quem te beija, a própria morte.

SYLVIA COHIN

[Arte gráfica: Rivkah Cohen]

-----------------------


Poeta é exatamente isso,
nada é impossível!
Afinal, está vivenciando,
sentindo, amando e por esse
amor é capaz de enfrentar o mundo,
mudar de partido, apoiar outro País,
afinal, é o que o amado sente e se
está tão dentro desse ser, dessas
células!
Ah, mas de repente ele lhe falta,
é como que lhe tirasse o chão, escondesse o ar,
estirpasse o coração a ponto de
se sentir morta, como escreveste no último verso!

Sim, amiga minha! Quantas vezes
morremos!

Mas Hoje, exatamente hoje, onde
o Sol em trânsito faz conjunção
com teu Sol Natal, começa mais
um Ano para você e que ele lhe
Seja Doce! Muitas Alegrias chegando!
Outras tantas esquecendo e o mais
importante, MUITAS FELICIDADES!

Beijo meu,
Rivkah Cohen

Marcadores: , , , , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home