quarta-feira, 15 de março de 2006


A MORTE DO POETA

Espalham-se os guardas, as milícias
e vibram as sirenes estridentes.
Pelas ruas farejam cães-polícias:
procuram o Poeta entre as gentes.
Todos sabem que ele é um subversivo
temido, perigoso cadastrado
que afirma o direito de estar vivo
e de andar vertical por todo o lado.

Procuram nas notícias dos jornais
a cara do Poeta fugitivo
tentando descobrir alguns sinais
que o tornem, desde logo, conhecido.

Na rádio, na TV, noticiários
já lançaram apelos lancinantes
pedindo que se evitem riscos vários
de infecção com versos delirantes.

A cidade agitada, no pavor
de se envolver em tal epidemia,
não deixava que alguém fizesse amor
porque o Amor, às vezes, contagia...

Deixaram as pessoas de sorrir,
aos jovens proibiu-se namorar,
os músicos deixaram de se ouvir,
os pássaros pararam de cantar.

Impediu-se o luar de aparecer
p'ra não alimentar o romantismo.
Proibiu-se ao Homem e à Mulher
a mínima atitude de erotismo.

Decretou-se que o Dia era cinzento,
foi imposto o silêncio por decreto
,ergueu-se à Tristeza um monumento,
aboliu-se a Ternura e o Afecto.

O Poeta, acusado de loucura,
na solidão mais densa se escondia
refém de si mesmo e da amargura
que a Verdade nos outros produzia.
Apareceu então à luz do dia
com o rosto tingido de ternura.
Dois tiros acertaram no seu peito
matando a loucura em pleno dia.
Mais tarde descobriu-se o que foi feito:
Morreram o Poeta... e a Poesia!

FERNANDO PEIXOTO

7 Comments:

Blogger Vera Vilela said...

Belíssima poesia mas tão tristinha no final. Não gostei nadinha dessas proibições todas.
Beijão
Vera

15 de mar de 2006 19:52:00  
Anonymous Cleide Canton said...

Caro Amigo
Que linda abordagem! Apesar do tiro certeiro, quantas outras espécies de tiro matam o poeta, não é? Aplaudo você. Carinho.
Cleide Canton

15 de mar de 2006 20:09:00  
Anonymous emilia said...

Que maravilha de poesia! Mas te garanto, não morreram, nem o poeta nem a poesia - SOMOS IMORTAIS!!!!! rsrsrsrsr
Estão um charme todas as atualizações, embora hoje não tenha condição (física) de ficar no micro para comentar uma a uma.

15 de mar de 2006 20:27:00  
Blogger De Amor e de Terra said...

Querido Amigo, PARABÉNS!!!
Que retrato tão bem feito "a preto e branco" de tempos que gostaríamos nunca mais voltassem!
No entanto, e apesar dos pesares, sei bem que o Poeta e sua Poesia serão imortais.
Um beijo enorme de admiração e amizade da
Maria Mamede

16 de mar de 2006 07:38:00  
Anonymous José Gomes said...

"(...)
Mais tarde descobriu-se o que foi feito:
Morreram o Poeta... e a Poesia!"

Pode morrer o poeta, mas a Poesia essa é eterna. Mas o Poeta nunca morre, ele próprio faz parte integrante da Poesia que, por sua vez, é a própria Vida.
Fernando, o poema é lindo. Triste, mas com a sua própria essência: a POESIA!
Um abraço.

16 de mar de 2006 08:17:00  
Blogger amita said...

Um poema poderoso e brilhante do Fernando Peixoto. Ai de mim que em esboço de poeta m'enfeito e na poesia construo meu leito.
Esta é prova sentida de que ambos serão eternos. Viva a Poesia e longa vida ao Poeta!
Bjinhos, uma flor e um doce sorriso

19 de mar de 2006 19:55:00  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Adorei este Poema, desde o princípio... por isso, mesmo sem pedir autorização, acabei de o postar no meu Blog. Se houver algum impedimento para o facto, agradeço que o diga, que o retirarei de imediato.

(não o desculpo por não ter lido nenhum poema, na última Noite de Poesia...)

Um abraço e boa semana ;)

20 de mar de 2006 11:11:00  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home