sábado, 4 de março de 2006

LITURGIA DE AMOR

sinto na pele ainda o toque morno,
teu cheiro agreste impregnado em mim,
teu corpo que me entregas como adorno
da nudez no enlace em êxtase sem fim...

sinto que a vida corre em nossas veias
acelerado parto de ternura
o rito amante que em mim semeias
na liturgia da reza mais pura...

sinto teus olhos em azul profundo
sereno mar onde navega o amor,
toda a grandeza que há no mundo
evola-se de nós, gozo sem pudor...

SYLVIA COHIN

3 Comments:

Blogger José Gomes said...

Mais um poema com a marca de um grande Sylvia, que este Porto resolveu adoptar.
Cad vez mais gosto daquilo que ti edcreves, especialmente com o sentimento com que escreves..
Aquele abraço.

6 de mar de 2006 08:17:00  
Anonymous Rosário S said...

Não haja dúvida!
Agradeço ao leitor que me enviou esta página o prazer proporcionado por cada poema.

Este particularmente revela uma capacidade extraordinária de escrever sobre algo tão difícil como a conjugação do Ser Pessoa, partilhar, ousar.
Mais uma vez, obrigado

9 de mar de 2006 12:56:00  
Blogger De Amor e de Terra said...

...e que belos poemas nos dá o Azul!!!

Beijos mana e a minha admiração de sempre embrulhada nesta Amizade.


Maria Mamede

16 de mar de 2006 07:59:00  

Postar um comentário

<< Home