quarta-feira, 14 de outubro de 2009

« SILÊNCIO »
às nossas crianças...
Sylvia Cohin

Faz de conta que o tempo parou
Em sua tela há tantas crianças
São embrião das aventuranças
Soltas ao léu, são tempo que passou
Quimeras que a brisa esfuma
Fragmentos, alegres e tristonhos
Dessa vida gestante de sonhos
De devaneios perdidos na bruma...

Silêncio...
É hora de ajuntar pedaços,
Trazer de novo ao coração vazio
A criancinha que a estender os braços
Espera um colo por anos a fio

Silêncio!
Ouça-se o grito dessas crianças
Deixem-nas VIR A SER
Sob o olhar de tênues Esperanças
Nossas crianças pedem pra Viver!

SYLVIA COHIN



Marcadores: , ,

2 Comments:

Anonymous Michèle Christine said...

Rubem Alves já escreveu um dia que “... a compaixão é uma maneira de sentir. É dela que brota a ética. Você reafirma aqui que “ ...nossas crianças pedem para viver”... Ainda bem que existem os poetas que não estão carentes de compaixão... Parabéns, Sylvia, é através de apelo sensível assim que a corrente desta virtude alcançará morada. Beijins, Michèle

18 de out de 2009 10:08:00  
Blogger Céci said...

Encontrei este blogue por acaso, e li o primeiro poema, e adorei.

Mas fui lendo os outros e acho que encontrei aqui um cantinho com o qual me identifico.

Parabéns pelo blogue

Céci

18 de out de 2009 20:37:00  

Postar um comentário

<< Home