quinta-feira, 7 de agosto de 2008

« TUDO E NADA »

Sylvia Cohin

Do Tudo de que me falas
que afinal já não é Nada,
e nem tão pouco cabalas,
mas água que é já passada...

Do Nada que é talvez Tudo
tantas vezes sem sentido...
O olhar que contempla mudo
tanto o ganho, e o perdido...

Deserto, foz, afluente,
verdade, utopia, um canto,
um oásis renitente,
Tudo e Nada é só espanto.

É memória, esquecimento,
Nada é tão incoerente...
Duna ao sabor do vento,
Tudo é só uma semente...

SYLVIA COHIN

Preserve os Direitos Autorais
Mantenha os Créditos

Marcadores: , , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home